Poluição do ar pode aumentar risco de aborto espontâneo, diz estudo

Investigação publicada na revista científica Nature Sustainability indica que a exposição a um ar poluído durante a gravidez está associada a um risco acrescido de aborto espontâneo no primeiro trimestre de gravidez.

Poluição do ar pode aumentar risco de aborto espontâneo, diz estudo

Uma investigação levada a cabo na Universidade de Pequim, na China, sugere que a exposição a fortes concentrações de poluentes atmosféricos está associada a um risco aumentado de aborto espontâneo no primeiro trimestre de gravidez.

De acordo com uma notícia publicada no site do jornal francês Le Figaro, o estudo analisou dados clínicos de 255 mil mulheres que viveram o início da sua gravidez em Pequim, a capital da China e uma das cidades mais poluídas do mundo. Os dados reportam ao intervalo temporal entre 2009 e 2017 e foram usados para avaliar o número de abortos espontâneos no primeiro trimestre de gestação segundo a exposição das grávidas a quatro poluentes principais.

A poluição do ar, ou poluição atmosférica, define-se como a "modificação da composição química do ar causada por detritos industriais, pesticidas ou elementos radioativos, que prejudicam o equilíbrio do meio ambiente e consequentemente os seres vivos" (Infopedia).

Os resultados da investigação permitiram concluir que, entre as participantes no estudo, 17 497 (6,8%) sofreram um aborto espontâneo durante o primeiro trimestre de gravidez. Os investigadores salientam, no entanto, que a ocorrência de aborto espontâneo não é um fator isolado, uma vez que esta situação afeta até 15% das grávidas, sobretudo nos países desenvolvidos.

Contudo, e apesar de ainda não se poder falar numa correlação direta entre estas duas variáveis, o estudo permitiu identificar uma associação entre a poluição e o risco de aborto, verificando que o risco parece ser mais alto quando a exposição à poluição é mais forte.

Como é que a poluição pode afetar a gravidez?
Segundo a equipa de investigação, a gestação pode ser afetada pela poluição na medida em que as micropartículas (de diâmetro inferior 2,5 micrómetros) poderão ser capazes de atravessar a barreira placentária, causando assim danos irreversíveis em príodos críticos do desenvolvimento fetal.

É importante relembrar que, apesar de vários estudos já terem apontado para os efeitos nefastos da poluição do ar na gravidez, este estudo foi levado a cabo numa cidade com níveis extremos de poluição, classificada pela Organização Mundial da Saúde como a 122ª mais poluída do mundo.

Últimas Notícias

Consumo combinado de álcool e tabaco na gravidez aumenta risco de Síndrome da Morte Súbita do Lactente

As crianças cujas mães beberam e fumaram para além do primeiro trimestre de gravidez têm um risco 12 vezes superior de Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL), comparativamente com as crianças que não estiveram expostas a álcool e tabaco ou cuja exposição a estas substâncias se restringiu ao primeiro trimestre de gestação. A conclusão é de um estudo publicado na revista científica online EclinicalMedicine.

Novo algoritmo prevê risco de diabetes gestacional

Um novo algoritmo informático de análise de dados, desenvolvido por cientistas do Weizmann Institute of Science, está a ser utilizado para ajudar a identificar mulheres em elevado risco de desenvolver diabetes gestacional. Esta ferramenta pode ser útil para identificar o risco antes da gravidez ou numa fase inicial do período de gestação, permitindo a adoção de medidas de prevenção da doença, como cuidados nutricionais ou alterações do estilo de vida.

Música poderá estimular desenvolvimento de bebés prematuros

Cientistas do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça, tiveram a ideia de   colocar música no serviço de neonatologia, especialmente composta para estimular o desenvolvimento da atividade cerebral dos recém-nascidos prematuros.

Bebé no útero reage à luz antes do que se pensava

No segundo trimestre de gravidez, muito antes de conseguir ver imagens, o bebé consegue já detetar luz.

Bebés compreendem conceito dos números muito antes de conseguirem contar, diz estudo

Novo estudo da Universidade Johns Hopkins sugere que os bebés são capazes de compreender o conceito de contagem, anos antes de conseguirem dizer "1, 2, 3".

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.