Investigação demonstra benefícios da acupuntura na gravidez

Estudos recentes apontam para os benefícios da Medicina Tradicional Chinesa, nomeadamente da acupuntura, no alívio de transtornos físicos e emocionais da grávida.

Investigação demonstra benefícios da acupuntura na gravidez

A Medicina Tradicional Chinesa - um processo curativo com mais de três mil anos de existência – tem sido apresentada em vários estudos científicos como uma forma de tratar desconfortos típicos do período de gestação.

De acordo com um estudo recente realizado na Universidade de Stanford, 70 por cento das mulheres responde bem a tratamentos de acupunctura - método que consiste em introduzir agulhas muito finas em pontos precisos do corpo - durante a gravidez, nomeadamente no tratamento de sintomas depressivos. Também um estudo da Universidade australiana de Adelaide provou que a acupuntura reduz os sintomas de enjoos matinais.

De acordo com o especialista em Medicina Tradicional Chinesa Hélder Flor, «a prática da acupuntura traz benefícios significativos para uma gravidez e uma amamentação mais tranquilas, porque, por um lado, não provoca efeitos secundários nem afeta o recém-nascido, como, por outro, apresenta melhorias no quadro clínico da paciente».

Antes de aplicar qualquer técnica de Medicina Tradicional Chinesa, é recomendável aconselhar-se previamente com o seu médico obstetra.

Conheça oito benefícios da acupuntura na gravidez e pós-parto:

1. Reduz enjoos: ajuda a diminuir a má-disposição, as náuseas, os vómitos e a salivação em excesso, sintomas que geralmente perturbam as grávidas nos três primeiros meses de gestação;

2. Diminui insónias e ansiedade: as técnicas utilizadas na acupuntura ajudam na redução da ansiedade e melhoria da qualidade do sono, fazendo frente ao aumento da sonolência e do cansaço típicos desta fase;

3. Suaviza alterações de humor: as oscilações de humor e uma maior sensibilidade emocional estão frequentemente associadas às alterações hormonais geradas pela gravidez. A acupuntura pode suavizar os problemas emocionais que várias vezes marcam este período, assim como apaziguar desconfortos causados pelo maior peso da barriga e pela tensão muscular. Nestes últimos casos, a utilização de ventosas e a moxabustão são técnicas de medicina tradicional que podem acompanhar a acupuntura;

4. Promove boa circulação sanguínea: atenua eventuais problemas circulatórios, através da estimulação de certos pontos, permitindo a correção de bloqueios e estagnações do sangue;

5. Pode ajudar no reposicionamento fetal: de acordo com Hélder Flor, entre as 25 e as 32semanas de gravidez é possível “virar o bebé” inserindo algumas agulhas de acupuntura em zonas estratégicas do corpo. Contudo, esta prática requer um diagnóstico prévio e não deve ser efetuada sem antes falar com o seu médico obstetra;

6. Alivia dores lombares: a prática de algumas técnicas da Medicina Tradicional Chinesa pode ajudar a reduzir as dores provocadas pelas alterações na curvatura lombar, que decorrem da evolução da gravidez. A prática de ioga e pilates são outras estratégias para promover uma boa postura e aliviar as dores de costas;

7. Benefícios no parto: Segundo Hélder Flor, a acupuntura é uma boa aliada na sensação de redução das contrações uterinas. Além disso, um estudo publicado no The American Journal of Chinese Medicine indica que a estimulação de determinados pontos - através da acupuntura ou da massagem tui na – que também exige diagnóstico prévio - pode retificar a zona pélvica;

8. Melhora pós-parto: na última fase do parto, o processo de recuperação e “expulsão da placenta” pode tornar-se mais célere e menos dolorosa. Além disso, é estimulada a produção de leite materno.

Últimas Notícias

Oito formas de demonstrar amor pelo seu filho, segundo a Academia Americana de Pediatria

Com o aproximar do Dia de São Valentim, a Academia Americana de Pediatria (AAP) lança o apelo para que os pais nutram os seus filhos com amor e atenção durante todo o ano.

Gravidez e amamentação podem reduzir risco de menopausa precoce, diz estudo

A gravidez e a amamentação exclusiva durante sete a 12 meses podem ajudar a reduzir o risco de menopausa precoce, indica um novo estudo publicado na revista científica JAMA. A menopausa antes dos 45 anos (menopausa precoce) aumenta o risco de morte prematura, declínio cognitivo, osteoporose e doença cardiovascular.

Consumo combinado de álcool e tabaco na gravidez aumenta risco de Síndrome da Morte Súbita do Lactente

As crianças cujas mães beberam e fumaram para além do primeiro trimestre de gravidez têm um risco 12 vezes superior de Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL), comparativamente com as crianças que não estiveram expostas a álcool e tabaco ou cuja exposição a estas substâncias se restringiu ao primeiro trimestre de gestação. A conclusão é de um estudo publicado na revista científica online EclinicalMedicine.

Novo algoritmo prevê risco de diabetes gestacional

Um novo algoritmo informático de análise de dados, desenvolvido por cientistas do Weizmann Institute of Science, está a ser utilizado para ajudar a identificar mulheres em elevado risco de desenvolver diabetes gestacional. Esta ferramenta pode ser útil para identificar o risco antes da gravidez ou numa fase inicial do período de gestação, permitindo a adoção de medidas de prevenção da doença, como cuidados nutricionais ou alterações do estilo de vida.

Música poderá estimular desenvolvimento de bebés prematuros

Cientistas do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça, tiveram a ideia de   colocar música no serviço de neonatologia, especialmente composta para estimular o desenvolvimento da atividade cerebral dos recém-nascidos prematuros.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.