Exercício-físico na gravidez restabelece principais tecidos do corpo em mulheres obesas

Estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, indica que a prática de exercício-físico imediatamente antes e durante a gravidez ajuda a restaurar os principais tecidos do organismo em mulheres obesas, contribuindo para uma melhor gestão dos níveis de açúcar no sangue e reduzindo o risco de problemas de saúde a longo prazo.

Exercício-físico na gravidez restabelece principais tecidos do corpo em mulheres obesas

Um novo estudo publicado na revista científica Physiological Reports sugere que a prática de exercício moderado no período preconcecional e na gravidez beneficia a saúde das mulheres obesas, ajudando a restabelecer os tecidos do organismo e prevenindo vários problemas de saúde.

Os benefícios da atividade física na saúde geral das mulheres com obesidade são já amplamente conhecidos e comprovados, melhorando a forma como o organismo gere os níveis de açúcar no sangue e, consequentemente, reduzindo o risco de diabetes tipo 2 e síndrome metabólica (conjunto de fatores de risco, essencialmente cardiovasculares, que têm por base a obesidade).

De acordo com o Retrato da Saúde em Portugal 2018, publicado pelo Serviço Nacional de Saúde, a obesidade é descrita como “o resultado de insuficientes níveis de atividade física combinados com uma alimentação inadequada, caracterizada por um consumo excessivo de calorias, em grande parte provenientes de açúcar e
gordura".

As vantagens do exercício-físico na melhoria da saúde das mulheres com obesidade estendem-se à gravidez, sabendo-se que este contribui para a saúde de mãe e bebé, prevenindo, por exemplo, o desenvolvimento de diabetes gestacional ou a necessidade de administração de insulina quando existe já uma diabetes gestacional diagnosticada.

Contudo, até aqui as alterações que o exercício desencadeia nos tecidos que compõem o organismo da mulher grávida obesa não eram ainda bem compreendidas, até à realização desta investigação.

Para estudar esta relação, os cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, analisaram uma amostra de ratinhos - úteis para este tipo de investigação, por terem em comum com os humanos diversas características biológicas e fisiológicas - para avaliar o impacto do exercício no período de gestação.

Os resultados da investigação permitiram verificar que o exercício é capaz de alterar a forma como moléculas e células comunicam nos tecidos da grávida, durante a gestação.

"Um nível de exercício moderado imediatamente antes e durante a gravidez conduz a importantes alterações em diferentes tecidos da mãe com obesidade, tornando efetivamente esses tecidos mais parecidos com os tecidos de mães não obesas”, explica a investigadora Amanda Sferruzzi-Perri, responsável pelo estudo.

Para a cientista, estas alterações podem explicar porque é que o exercício melhora o metabolismo das mães com obesidade.

Segundo a investigação, os tecidos que podem sofrer estas transformações abrangem o tecido adiposo branco (que armazena os lípidos e envolve vários órgãos internos); o tecido músculo-esquelético (que usa a glicose e gorduras para gerar o movimento); e o fígado.

Últimas Notícias

Bial disponibiliza curso online para futuros pais

Num período em que muitos futuros pais #ficamemcasa, de quarentena ou em isolamento profilático, devido à pandemia COVID-19, BIAL disponibiliza o curso online “Vamos ser Pais!” - www.vamosserpais.pt, especialmente pensado e elaborado para proporcionar a todos os pais a oportunidade de adquirir conhecimentos e competências que os ajudem a preparar, de forma serena e plena, esta nova etapa da vida.

COVID-19: Estudo sugere que transmissão de mães para filhos na gravidez é possível, mas rara

Um estudo com 33 grávidas, realizado na China, indica que a transmissão do novo coronavírus da grávida para o feto é possível, mas rara. Dados científicos ainda são escassos para poder compreender as vias de contágio e os efeitos da exposição ao vírus na saúde de mãe e bebé.  

Cérebros dos bebés e dos adultos “sincronizam” durante a brincadeira

Estudo conclui que cérebros de pais e filhos estão no mesmo “comprimento de onda” quando partilham brinquedos e contacto visual. Mesmo quando os bebés ainda não conseguem falar, estão “ligados” a nós em pensamento.

Consumo de fruta na gravidez melhora desenvolvimento cognitivo do bebé

Um estudo realizado na Universidade de Alberta, no Canadá, concluiu que o consumo de fruta na gravidez pode ajudar a estimular o desenvolvimento do cérebro do bebé. 

Oito formas de demonstrar amor pelo seu filho, segundo a Academia Americana de Pediatria

Com o aproximar do Dia de São Valentim, a Academia Americana de Pediatria (AAP) lança o apelo para que os pais nutram os seus filhos com amor e atenção durante todo o ano.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.