Exercício-físico na gravidez restabelece principais tecidos do corpo em mulheres obesas

Estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, indica que a prática de exercício-físico imediatamente antes e durante a gravidez ajuda a restaurar os principais tecidos do organismo em mulheres obesas, contribuindo para uma melhor gestão dos níveis de açúcar no sangue e reduzindo o risco de problemas de saúde a longo prazo.

Exercício-físico na gravidez restabelece principais tecidos do corpo em mulheres obesas

Um novo estudo publicado na revista científica Physiological Reports sugere que a prática de exercício moderado no período preconcecional e na gravidez beneficia a saúde das mulheres obesas, ajudando a restabelecer os tecidos do organismo e prevenindo vários problemas de saúde.

Os benefícios da atividade física na saúde geral das mulheres com obesidade são já amplamente conhecidos e comprovados, melhorando a forma como o organismo gere os níveis de açúcar no sangue e, consequentemente, reduzindo o risco de diabetes tipo 2 e síndrome metabólica (conjunto de fatores de risco, essencialmente cardiovasculares, que têm por base a obesidade).

De acordo com o Retrato da Saúde em Portugal 2018, publicado pelo Serviço Nacional de Saúde, a obesidade é descrita como “o resultado de insuficientes níveis de atividade física combinados com uma alimentação inadequada, caracterizada por um consumo excessivo de calorias, em grande parte provenientes de açúcar e
gordura".

As vantagens do exercício-físico na melhoria da saúde das mulheres com obesidade estendem-se à gravidez, sabendo-se que este contribui para a saúde de mãe e bebé, prevenindo, por exemplo, o desenvolvimento de diabetes gestacional ou a necessidade de administração de insulina quando existe já uma diabetes gestacional diagnosticada.

Contudo, até aqui as alterações que o exercício desencadeia nos tecidos que compõem o organismo da mulher grávida obesa não eram ainda bem compreendidas, até à realização desta investigação.

Para estudar esta relação, os cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, analisaram uma amostra de ratinhos - úteis para este tipo de investigação, por terem em comum com os humanos diversas características biológicas e fisiológicas - para avaliar o impacto do exercício no período de gestação.

Os resultados da investigação permitiram verificar que o exercício é capaz de alterar a forma como moléculas e células comunicam nos tecidos da grávida, durante a gestação.

"Um nível de exercício moderado imediatamente antes e durante a gravidez conduz a importantes alterações em diferentes tecidos da mãe com obesidade, tornando efetivamente esses tecidos mais parecidos com os tecidos de mães não obesas”, explica a investigadora Amanda Sferruzzi-Perri, responsável pelo estudo.

Para a cientista, estas alterações podem explicar porque é que o exercício melhora o metabolismo das mães com obesidade.

Segundo a investigação, os tecidos que podem sofrer estas transformações abrangem o tecido adiposo branco (que armazena os lípidos e envolve vários órgãos internos); o tecido músculo-esquelético (que usa a glicose e gorduras para gerar o movimento); e o fígado.

Últimas Notícias

Música poderá estimular desenvolvimento de bebés prematuros

Cientistas do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça, tiveram a ideia de   colocar música no serviço de neonatologia, especialmente composta para estimular o desenvolvimento da atividade cerebral dos recém-nascidos prematuros.

Bebé no útero reage à luz antes do que se pensava

No segundo trimestre de gravidez, muito antes de conseguir ver imagens, o bebé consegue já detetar luz.

Poluição do ar pode aumentar risco de aborto espontâneo, diz estudo

Investigação publicada na revista científica Nature Sustainability indica que a exposição a um ar poluído durante a gravidez está associada a um risco acrescido de aborto espontâneo no primeiro trimestre de gravidez.

Bebés compreendem conceito dos números muito antes de conseguirem contar, diz estudo

Novo estudo da Universidade Johns Hopkins sugere que os bebés são capazes de compreender o conceito de contagem, anos antes de conseguirem dizer "1, 2, 3".

Demasiada cafeína na gravidez pode afetar fígado do bebé

Novo estudo indica que a ingestão excessiva de cafeína na gravidez pode prejudicar o desenvolvimento do fígado do bebé e aumentar o risco de doença hepática na idade adulta. 

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.