Estudo identifica hormona que pode dar suporte a fase inicial da gravidez

Investigação na área da fertilidade descobriu uma hormona que ajuda a preparar o revestimento do útero para a gravidez.

Estudo identifica hormona que pode dar suporte a fase inicial da gravidez

Cientistas da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, identificaram uma hormona que ajuda a dar suporte ao início da gravidez, contribuindo para a implantação de células primárias, uma etapa vital no momento em que um óvulo fertilizado adere às paredes do útero.

De acordo com uma notícia publicada no portal de notícias sobre ciência Science Daily, os cientistas analisaram os efeitos da hormona conhecida como DHEA (dehidroepiandrosterona) em tecido doado por mulheres com uma média de 40 anos.

Os resultados das análises permitiram verificar que tratar as células do revestimento uterino com DHEA duplicou o nível de proteínas-chave ligadas à implantação saudável no tecido.

O estudo, cujos resultados foram publicados na revista científica Fertility and Sterility, concluiu ainda que o tratamento com DHEA também aumentou a produção de androgénios ativos - hormonas presentes em grande quantidade no homem - sugerindo que estes podem estar na base desta melhoria.

Contudo, a equipa de investigação alerta para o facto de serem necessários mais estudos para averiguar se tratamentos com base na DHEA podem ajudar mulheres com problemas de fertilidade.

«Um ovo fertilizado será implantado apenas se tiver condições e estamos entusiasmados por ver que a DHEA e androgénios podem ajudar a melhorar este ambiente nas células. Os resultados ajudar-nos-ão a desenvolver estudos para possíveis terapias, mas mais investigação será necessária antes de podermos dizer que esta abordagem pode ser usada por mulheres que estão a ter dificuldades em engravidar», sublinha Douglas Gibson, investigador do MRC Centre for Inflammation Research, da Universidade de Edimburgo, e principal autor do estudo.

Últimas Notícias

Gravidez e amamentação podem reduzir risco de menopausa precoce, diz estudo

A gravidez e a amamentação exclusiva durante sete a 12 meses podem ajudar a reduzir o risco de menopausa precoce, indica um novo estudo publicado na revista científica JAMA. A menopausa antes dos 45 anos (menopausa precoce) aumenta o risco de morte prematura, declínio cognitivo, osteoporose e doença cardiovascular.

Consumo combinado de álcool e tabaco na gravidez aumenta risco de Síndrome da Morte Súbita do Lactente

As crianças cujas mães beberam e fumaram para além do primeiro trimestre de gravidez têm um risco 12 vezes superior de Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL), comparativamente com as crianças que não estiveram expostas a álcool e tabaco ou cuja exposição a estas substâncias se restringiu ao primeiro trimestre de gestação. A conclusão é de um estudo publicado na revista científica online EclinicalMedicine.

Novo algoritmo prevê risco de diabetes gestacional

Um novo algoritmo informático de análise de dados, desenvolvido por cientistas do Weizmann Institute of Science, está a ser utilizado para ajudar a identificar mulheres em elevado risco de desenvolver diabetes gestacional. Esta ferramenta pode ser útil para identificar o risco antes da gravidez ou numa fase inicial do período de gestação, permitindo a adoção de medidas de prevenção da doença, como cuidados nutricionais ou alterações do estilo de vida.

Música poderá estimular desenvolvimento de bebés prematuros

Cientistas do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça, tiveram a ideia de   colocar música no serviço de neonatologia, especialmente composta para estimular o desenvolvimento da atividade cerebral dos recém-nascidos prematuros.

Bebé no útero reage à luz antes do que se pensava

No segundo trimestre de gravidez, muito antes de conseguir ver imagens, o bebé consegue já detetar luz.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.