Especialistas relembram perigos do consumo de álcool na gravidez

A propósito das comemorações do Dia Mundial para a Consciencialização sobre o Síndrome de Alcoolismo Fetal, especialistas internacionais relembraram as razões pelas quais as grávidas não devem consumir álcool durante o período de gestação. 

Especialistas relembram perigos do consumo de álcool na gravidez

O álcool tem efeitos teratogénicos - desenvolvimento de malformações congénitas - e, mesmo em pouca quantidade, atravessa a barreira placentária e permeia o organismo do feto, podendo afetar o seu desenvolvimento, sobretudo ao nível cerebral.

A sensibilização das mulheres grávidas sobre os perigos que o consumo de álcool na gravidez representam para a criança que vai nascer estiveram no centro do debate internacional a propósito do Dia Mundial de Consciencialização para as Perturbações do Espetro do Alcoolismo Fetal, assinalado a 9 de setembro.

De acordo com o diretor geral de Saúde Pública de França, François Bourdillon, o Síndrome de Alcoolismo Fetal (SAF) é a manifestação mais grave das Perturbações do Espetro do Alcoolismo Fetal (PEAF), e afeta hoje um número considerável de bebés. Em França, pelo menos um bebé por dia nasce com PEAF e, a cada semana, pelo menos um bebé nasce com o Síndrome de Alcoolismo Fetal.

Neste sentido, e tendo em conta que a Ciência ainda não demonstrou a existência de um limite máximo "seguro" para o consumo de álcool no período de gestação, a recomendação dos epidemiologistas é: "zero álcool na gravidez".

As Perturbações do Espetro do Alcoolismo Fetal englobam os vários problemas ao nível do desenvolvimento físico, cognitivo, comportamental e de saúde que podem decorrer da exposição ao álcool no útero materno.

Últimas Notícias

Gravidez e amamentação podem reduzir risco de menopausa precoce, diz estudo

A gravidez e a amamentação exclusiva durante sete a 12 meses podem ajudar a reduzir o risco de menopausa precoce, indica um novo estudo publicado na revista científica JAMA. A menopausa antes dos 45 anos (menopausa precoce) aumenta o risco de morte prematura, declínio cognitivo, osteoporose e doença cardiovascular.

Consumo combinado de álcool e tabaco na gravidez aumenta risco de Síndrome da Morte Súbita do Lactente

As crianças cujas mães beberam e fumaram para além do primeiro trimestre de gravidez têm um risco 12 vezes superior de Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL), comparativamente com as crianças que não estiveram expostas a álcool e tabaco ou cuja exposição a estas substâncias se restringiu ao primeiro trimestre de gestação. A conclusão é de um estudo publicado na revista científica online EclinicalMedicine.

Novo algoritmo prevê risco de diabetes gestacional

Um novo algoritmo informático de análise de dados, desenvolvido por cientistas do Weizmann Institute of Science, está a ser utilizado para ajudar a identificar mulheres em elevado risco de desenvolver diabetes gestacional. Esta ferramenta pode ser útil para identificar o risco antes da gravidez ou numa fase inicial do período de gestação, permitindo a adoção de medidas de prevenção da doença, como cuidados nutricionais ou alterações do estilo de vida.

Música poderá estimular desenvolvimento de bebés prematuros

Cientistas do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça, tiveram a ideia de   colocar música no serviço de neonatologia, especialmente composta para estimular o desenvolvimento da atividade cerebral dos recém-nascidos prematuros.

Bebé no útero reage à luz antes do que se pensava

No segundo trimestre de gravidez, muito antes de conseguir ver imagens, o bebé consegue já detetar luz.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.