Dormir de barriga para cima pode causar problemas ao feto, diz estudo

Um novo estudo publicado na revista científica The Journal of Physiology sugere que as grávidas não devem dormir de barriga para cima na gravidez, sob pena de colocarem o bebé em risco. 

Dormir de barriga para cima pode causar problemas ao feto, diz estudo

Um estudo levado a cabo na Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, defende que as grávidas devem evitar dormir de barriga para cima durante as últimas semanas de gravidez, de forma a reduzir o risco de óbito do feto durante a gestação (depois das 28 semanas).

Atividade do bebé durante o sono da mãe

Os resultados da investigação baseiam-se no estudo do sono de 30 mulheres nas 34-38 semanas de gestação, através de câmaras de vídeo, e medição dos sinais vitais do feto e da grávida no período noturno, com eletrocardiogramas.

A análise dos dados permitiu concluir que, quando a mulher dorme de barriga para cima, o feto está menos ativo.

Segundo um comunicado de imprensa da Sociedade de Fisiologia do Reino Unido, a atividade é um dos indicadores de bem-estar do feto e, neste caso, os bebés só permaneciam num “estado ativo” quando a mãe estava deitada de lado.

“Quando a mãe mudava de posição durante o sono, por exemplo, da posição lateral esquerda para a posição de barriga para cima, o bebé rapidamente mudava o seu estado de atividade, ficando calmo ou imóvel”, refere o documento.

“Numa situação em que o bebé possa não ser saudável, como aqueles que não crescem o suficiente, o bebé pode não tolerar as consequências de a mãe dormir de barriga para cima”, afirmou Peter Stone, um dos investigadores principais, citado no comunicado de imprensa.

O estudo completo pode ser consultado em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1113/JP273201/full

Últimas Notícias

Consumo combinado de álcool e tabaco na gravidez aumenta risco de Síndrome da Morte Súbita do Lactente

As crianças cujas mães beberam e fumaram para além do primeiro trimestre de gravidez têm um risco 12 vezes superior de Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL), comparativamente com as crianças que não estiveram expostas a álcool e tabaco ou cuja exposição a estas substâncias se restringiu ao primeiro trimestre de gestação. A conclusão é de um estudo publicado na revista científica online EclinicalMedicine.

Novo algoritmo prevê risco de diabetes gestacional

Um novo algoritmo informático de análise de dados, desenvolvido por cientistas do Weizmann Institute of Science, está a ser utilizado para ajudar a identificar mulheres em elevado risco de desenvolver diabetes gestacional. Esta ferramenta pode ser útil para identificar o risco antes da gravidez ou numa fase inicial do período de gestação, permitindo a adoção de medidas de prevenção da doença, como cuidados nutricionais ou alterações do estilo de vida.

Música poderá estimular desenvolvimento de bebés prematuros

Cientistas do Hospital Universitário de Genebra, na Suíça, tiveram a ideia de   colocar música no serviço de neonatologia, especialmente composta para estimular o desenvolvimento da atividade cerebral dos recém-nascidos prematuros.

Bebé no útero reage à luz antes do que se pensava

No segundo trimestre de gravidez, muito antes de conseguir ver imagens, o bebé consegue já detetar luz.

Poluição do ar pode aumentar risco de aborto espontâneo, diz estudo

Investigação publicada na revista científica Nature Sustainability indica que a exposição a um ar poluído durante a gravidez está associada a um risco acrescido de aborto espontâneo no primeiro trimestre de gravidez.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.