Carência de iodo pode reduzir fertilidade

As mulheres com défice moderado a grave de iodo podem demorar mais tempo a engravidar, comparativamente com as mulheres que apresentam reservas adequadas deste micronutriente, indica um estudo publicado na revista científica Human Reproduction.

Carência de iodo pode reduzir fertilidade

De acordo com uma notícia publicada no portal dos National Institutes of Health (NIH), agência governamental dos Estados Unidos da América (EUA), a equipa de investigação analisou informação de cerca de 500 casais a tentar engravidar, entre 2005 e 2009. A amostra faz parte de um estudo mais alargado, (Longitudinal Investigation of Fertility and the Environment - LIFE), que procurava analisar a relação entre a fertilidade, estilo de vida e exposição a fatores ambientais.

Os resultados permitiram verificar que as mulheres com carência moderada a grave de iodo apresentavam menos 46 por cento de hipóteses de engravidar durante o ciclo menstrual, comparativamente com as mulheres com níveis adequados de iodo.

O iodo é um elemento natural fundamental para a produção das hormonas geradas pela glândula Tiroide (Hormonas Tiroideias). Na preconceção, gravidez e na amamentação as necessidades de iodo estão aumentadas.

Tendo em conta a prevalência da deficiência de iodo na população portuguesa, as organizações de saúde internacionais e a Direção-Geral de Saúde propõem que se faça suplementação nutricional com 150 microgramas de iodo diários.

Últimas Notícias

Bial disponibiliza curso online para futuros pais

Num período em que muitos futuros pais #ficamemcasa, de quarentena ou em isolamento profilático, devido à pandemia COVID-19, BIAL disponibiliza o curso online “Vamos ser Pais!” - www.vamosserpais.pt, especialmente pensado e elaborado para proporcionar a todos os pais a oportunidade de adquirir conhecimentos e competências que os ajudem a preparar, de forma serena e plena, esta nova etapa da vida.

COVID-19: Estudo sugere que transmissão de mães para filhos na gravidez é possível, mas rara

Um estudo com 33 grávidas, realizado na China, indica que a transmissão do novo coronavírus da grávida para o feto é possível, mas rara. Dados científicos ainda são escassos para poder compreender as vias de contágio e os efeitos da exposição ao vírus na saúde de mãe e bebé.  

Cérebros dos bebés e dos adultos “sincronizam” durante a brincadeira

Estudo conclui que cérebros de pais e filhos estão no mesmo “comprimento de onda” quando partilham brinquedos e contacto visual. Mesmo quando os bebés ainda não conseguem falar, estão “ligados” a nós em pensamento.

Consumo de fruta na gravidez melhora desenvolvimento cognitivo do bebé

Um estudo realizado na Universidade de Alberta, no Canadá, concluiu que o consumo de fruta na gravidez pode ajudar a estimular o desenvolvimento do cérebro do bebé. 

Oito formas de demonstrar amor pelo seu filho, segundo a Academia Americana de Pediatria

Com o aproximar do Dia de São Valentim, a Academia Americana de Pediatria (AAP) lança o apelo para que os pais nutram os seus filhos com amor e atenção durante todo o ano.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.