Consumo da placenta não prejudica recém-nascido, defende estudo

Um estudo de larga escala analisou os efeitos do consumo da placenta após o parto, concluindo que esta prática não representa riscos acrescidos para a saúde do recém-nascido.

Consumo da placenta não prejudica recém-nascido, defende estudo

Uma análise a cerca de 23 000 registos clínicos sobre nascimentos revelou que o facto de a mulher ingerir a placenta após o parto não prejudica a saúde do bebé. A investigação foi levada a cabo na Universidade do Estado de Oregon, nos Estados Unidos da América, e os resultados publicados na revista científica Birth.

O consumo da placenta após o parto é uma tendência que tem vindo a ganhar popularidade entre as grávidas, sobretudo em países como o Reino Unido, França, Alemanha, Austrália e Estados Unidos da América. Os defensores desta prática acreditam que o consumo da placenta traz benefícios significativos para a saúde, nomeadamente no restabelecimento do equilíbrio hormonal da mãe e reforço nutricional.

De acordo com Daniel Benyshek, «os resultados foram surpreendentes tendo em conta as recomendações recentes contra o consumo da placenta, a par da divulgação dos riscos do consumo de carne crua ou mal cozinhada».

O investigador acrescenta que, apesar de não haver evidência científica que comprove a eficácia da denominada placentofagia (ato, comum entre os mamíferos, de comer a placenta após o nascimento) no tratamento de transtornos de humor como a depressão pós-parto, este estudo vem provar que, a existirem situações de infeção neonatal decorrente desta prática, estas são "extremamente raras".

Últimas Notícias

Demasiada cafeína na gravidez pode afetar fígado do bebé

Novo estudo indica que a ingestão excessiva de cafeína na gravidez pode prejudicar o desenvolvimento do fígado do bebé e aumentar o risco de doença hepática na idade adulta. 

Exercício-físico na gravidez restabelece principais tecidos do corpo em mulheres obesas

Estudo da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, indica que a prática de exercício-físico imediatamente antes e durante a gravidez ajuda a restaurar os principais tecidos do organismo em mulheres obesas, contribuindo para uma melhor gestão dos níveis de açúcar no sangue e reduzindo o risco de problemas de saúde a longo prazo.

Mortalidade infantil atinge valores mais baixos desde que há registo

Segundo dados recentes apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística, a taxa de mortalidade infantil diminuiu cerca de 0,7% em 2017, atingindo o valor mais baixo de que há registo em Portugal.

Gargalhadas dos bebés semelhantes à dos macacos

Bebés mais novos riem-se como outros primatas. O ser humano é o único que se ri por meio da exalação, ou seja, o ato de expelir ou soltar.

Estudo sugere que crianças memorizam sons durante a sesta

Cientistas analisaram o que as crianças ouvem ou não durante o sono, concluindo que o ambiente sonoro durante as sestas não passa despercebido e gera memórias.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.