Consumo da placenta não prejudica recém-nascido, defende estudo

Um estudo de larga escala analisou os efeitos do consumo da placenta após o parto, concluindo que esta prática não representa riscos acrescidos para a saúde do recém-nascido.

Consumo da placenta não prejudica recém-nascido, defende estudo

Uma análise a cerca de 23 000 registos clínicos sobre nascimentos revelou que o facto de a mulher ingerir a placenta após o parto não prejudica a saúde do bebé. A investigação foi levada a cabo na Universidade do Estado de Oregon, nos Estados Unidos da América, e os resultados publicados na revista científica Birth.

O consumo da placenta após o parto é uma tendência que tem vindo a ganhar popularidade entre as grávidas, sobretudo em países como o Reino Unido, França, Alemanha, Austrália e Estados Unidos da América. Os defensores desta prática acreditam que o consumo da placenta traz benefícios significativos para a saúde, nomeadamente no restabelecimento do equilíbrio hormonal da mãe e reforço nutricional.

De acordo com Daniel Benyshek, «os resultados foram surpreendentes tendo em conta as recomendações recentes contra o consumo da placenta, a par da divulgação dos riscos do consumo de carne crua ou mal cozinhada».

O investigador acrescenta que, apesar de não haver evidência científica que comprove a eficácia da denominada placentofagia (ato, comum entre os mamíferos, de comer a placenta após o nascimento) no tratamento de transtornos de humor como a depressão pós-parto, este estudo vem provar que, a existirem situações de infeção neonatal decorrente desta prática, estas são "extremamente raras".

Últimas Notícias

Brincar com o pai pode melhorar capacidade de autocontrolo da criança, diz estudo

Investigação da Universidade de Cambridge sugere que as crianças cujos pais dedicam tempo a brincar com elas podem ter mais facilidade em controlar o comportamento e as emoções.

COVID-19: DGS indica condições necessárias para permitir a presença de um acompanhante no parto

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informou esta sexta-feira que as mulheres sem COVID-19 poderão ter um acompanhante durante o parto, sublinhando que “as unidades hospitalares devem procurar assegurar as condições necessárias para permitir” a sua presença.

Bial disponibiliza curso online para futuros pais

Num período em que muitos futuros pais #ficamemcasa, de quarentena ou em isolamento profilático, devido à pandemia COVID-19, BIAL disponibiliza o curso online “Vamos ser Pais!” - www.vamosserpais.pt, especialmente pensado e elaborado para proporcionar a todos os pais a oportunidade de adquirir conhecimentos e competências que os ajudem a preparar, de forma serena e plena, esta nova etapa da vida.

COVID-19: Estudo sugere que transmissão de mães para filhos na gravidez é possível, mas rara

Um estudo com 33 grávidas, realizado na China, indica que a transmissão do novo coronavírus da grávida para o feto é possível, mas rara. Dados científicos ainda são escassos para poder compreender as vias de contágio e os efeitos da exposição ao vírus na saúde de mãe e bebé.  

Cérebros dos bebés e dos adultos “sincronizam” durante a brincadeira

Estudo conclui que cérebros de pais e filhos estão no mesmo “comprimento de onda” quando partilham brinquedos e contacto visual. Mesmo quando os bebés ainda não conseguem falar, estão “ligados” a nós em pensamento.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.