Gerir as visitas na maternidade

Escrito por: Ana Margarida Marques

Saiba qual a importância de uma gestão equilibrada das visitas durante o internamento hospitalar a seguir ao nascimento, garantindo o bem-estar da mãe e do bebé.

Gerir as visitas na maternidade class=

O nascimento de um filho implica um processo de adaptação por parte da mãe. É uma fase particularmente crítica por exigir, da nova mãe, um conjunto de mudanças a nível físico e psicológico. Por esta razão, é fundamental que haja uma gestão equilibrada das visitas durante o internamento hospitalar. Só assim poderá sentir a sua intimidade respeitada e o apoio adequado durante os primeiros dias de vida do bebé.

O que acontece no internamento

Os dias a seguir ao parto são normalmente vividos com algum cansaço, fragilidade e, ao mesmo tempo, alegria e excitação pelo nascimento do bebé. O parto é o término da gravidez e representa o momento em que a mãe conhece finalmente o seu filho. A experiência vivida após o nascimento do bebé varia de acordo com diversos fatores, nomeadamente como correu o parto, como a mãe se sente e qual o estado de saúde do bebé. Quando o bebé nasce, a mãe confronta-se com uma nova realidade com a qual terá de aprender a lidar.

É durante o internamento que a mãe, juntamente com o pai, recebe o suporte dos profissionais de saúde relacionados com os cuidados ao bebé, nomeadamente nas tarefas como amamentar, dar o banho e mudar a fralda. O internamento torna-se o momento ideal para esclarecer as dúvidas que possam surgir, assegurando o bem-estar do bebé e aumentando a confiança da mãe.

É durante a estadia na maternidade que são também prestados os primeiros cuidados de saúde ao recém-nascido, nomeadamente a avaliação dos reflexos, a medição do comprimento e do perímetro cefálico e a observação geral da saúde do bebé pelo pediatra. As vacinas da Hepatite B e BCG são administradas ainda na maternidade, antes da alta hospitalar.

Conselhos aos pais

As visitas na maternidade constituem um momento importante, mas deverá haver respeito pelas rotinas da mãe e do bebé, bem como pelos procedimentos que a equipa de saúde terá de realizar durante o internamento.

O funcionamento das visitas depende das rotinas de cada hospital e dos profissionais de saúde de cada instituição. Mas de uma forma geral, as visitas são aconselhadas a permanecer o mínimo de tempo possível junto da mãe e do bebé, já que ambos precisam de tempo e de espaço para adquirirem as primeiras aprendizagens.

 Cuidados a ter

Não há regras rígidas para uma gestão adequada das visitas na maternidade, apenas que as pessoas disponham de bom senso e que, na falta dele, o pai ou outro familiar, assegurem o bem-estar da mãe e do bebé. Contudo, recomendam-se alguns cuidados.

As visitas não devem ser permitidas no próprio dia em que o bebé nasce ou pelo menos restringidas aos familiares mais próximos (avós, irmãos). A mãe estará naturalmente cansada ou desejará certamente aproveitar os primeiros momentos a sós com o seu bebé, juntamente com o pai.

É normal que as pessoas manifestem vontade de pegar no bebé ao colo, mas é importante que a mãe se sinta confortável com quem o poderá fazer. Será aconselhável transmitir às pessoas que devem evitar tocar no bebé, sobretudo quando apresentam sinais de doença, como constipação ou tosse.

Poderá não ser aconselhado oferecer flores ou pelo menos guardá-las no quarto onde a mãe e o bebé estão instalados, para evitar alergias no bebé. Os doces não são recomendados já que, dependendo de cada caso, poderá haver restrições de alguns alimentos por causa do parto ou pelo facto de a mãe estar a amamentar, pelo risco de cólicas que possam provocar no bebé.

Limitar a duração das visitas

É importante que alguém, por exemplo o pai ou um familiar, assuma o controlo da duração das visitas durante o internamento hospitalar.

Nem todas as pessoas têm o bom-senso de não prolongar demasiado o tempo da visita, para que a mãe e o bebé possam descansar o suficiente. Uma estratégia para gerir este tipo de situação, poderá ser o pai sugerir às visitas que a mãe precisa de descansar ou que está na hora de o bebé mamar.

Durante o internamento, a mãe deverá aproveitar os sonos do bebé para dormir. Esta é, aliás, uma recomendação que deverá ser seguida em casa durante os primeiros tempos de vida do bebé. 

 Apoio dos profissionais de saúde

Dado o período crítico após o nascimento, a mãe deverá ser protegida de qualquer ambiente que seja negativo para o seu bem-estar físico e emocional. Também os profissionais de saúde da instituição podem, seguramente, apoiar a gestão das visitas hospitalares durante a estadia na maternidade.

 Como proteger a mãe e o bebé

Há situações em que é essencial que a mãe esteja sozinha com o bebé, por exemplo enquanto segura o bebé para o embalar ou enquanto estiver a amamentar. É importante que em determinados momentos a mãe esteja longe da agitação das conversas, das opiniões e de interrupções consecutivas, porque alguém quer cumprimentá-la ou despedir-se ou dar uma palavra “rápida” por telefone.

Visitas no hospital ou em casa?

Durante a gravidez os pais devem decidir como gostariam de dar a notícia do nascimento e como apresentar o bebé aos familiares e amigos mais próximos.

Caso o desejo seja não receber visitas no hospital, uma possibilidade será, após o nascimento, enviar uma mensagem a dar informação sobre o nascimento, o estado de saúde da mãe e do bebé, explicando a sua vontade e que haverá disponibilidade para receber as visitas em casa.

 Após a alta hospitalar

A chegada a casa após a mãe e o bebé terem alta hospitalar é outro momento importante do nascimento.

É bom lembrar que a nova família, já em casa, terá a “agenda” preenchida com várias saídas durante os primeiros tempos, nomeadamente para realizar o teste do pezinho, registo das vacinas administradas, consulta com o pediatra e eventualmente consulta com o obstetra, para efetuar cuidados que possam ser necessários a seguir ao parto, ou para ir ao hospital ou centro de saúde solicitar orientações sobre a amamentação.

Relativamente aos familiares e amigos que visitam a mãe e o bebé em casa, poderá ser aconselhável que a mãe e o pai negoceiem os horários que serão mais adequados ao ritmo do bebé.

É fundamental que após o nascimento, e sobretudo nos primeiros tempos em casa, a mãe aceite as ajudas que eventualmente surjam e, sobretudo, que peça ajuda, sempre que sinta que seja necessário e que essa seja a sua vontade.

Outros Artigos deste tema

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.