Atitude no parto

Escrito por: Iolanda Veríssimo

O momento do nascimento desperta uma multiplicidade de emoções, ao mesmo tempo que implica lidar com a dor. Saiba como colaborar e ter uma atitude positiva.

Atitude  no parto class=

O otimismo, a paciência, ou a confiança em si e nos que a acompanham podem fazer a diferença no que toca a reduzir a ansiedade e a dor durante o parto, aumentando as hipóteses de este decorrer de forma mais rápida e fácil. Em oposição, o medo, o stresse e a insegurança podem dificultar a libertação de hormonas importantes para o progresso do parto, como a oxitocina, e tornar a dor mais insuportável. A sua atitude conta desde que nota os primeiros sinais de que o seu bebé vai nascer.

Movimente-se

Caminhar, balançar-se ou mudar de posição, para além de ajudar a aliviar o desconforto, contribui para que a pélvis se abra progressivamente para o parto e o seu bebé fique na posição correta para sair. Pode não ser prático ou viável andar no corredor do hospital, mas poderá sentar-se e levantar-se várias vezes ou, se estiver deitada, mudar de posição regularmente. Essa postura ajudará a colocar a força da gravidade a seu favor. E lembre-se que o importante é manter-se ativa.

Coopere

A sua colaboração ativa nas várias fases do parto é muito importante. Aprender a usar técnicas de respiração e relaxamento, desde o início do trabalho de parto, pode fazer a diferença. Uma respiração correta permite maximizar a quantidade de oxigénio disponível para si e o bebé. Além disso, apesar de as técnicas de analgesia serem cada vez mais eficazes no alívio da dor, relaxar vai ser útil antes da administração da anestesia, ou se optar por não recorrer a fármacos.

Encare a tensão de forma positiva

A tensão dos músculos do útero durante uma contração pode ser muito dolorosa, mas faz parte do caminho que o seu corpo está a percorrer para que o parto ocorra. O esforço por relaxar deve ser feito perante a tensão que afeta os restantes músculos do corpo, como resposta à dor da contração. Esta tensão pode constituir um obstáculo para o parto, pois retira-lhe energia. Para se libertar dela, identifique as zonas em que está mais tensa por causa da dor e tente relaxá-las, com uma respiração ritmada e regular. Este relaxamento muscular antes de cada contração vai permitir que não desperdice força que será necessária no período expulsivo.

Seja paciente

O facto de o seu trabalho de parto estar a desenrolar-se muito lentamente não significa que algo esteja mal. Cada parturiente tem o seu ritmo. Confiar nos profissionais de saúde que estão a acompanhá-la e manter-se calma é uma forma importante de colaborar. Mais uma vez, as técnicas de respiração são uma importante ajuda para se manter tranquila. Poderá chegar a uma fase em que o bebé já faz muita pressão sobre o colo do útero, mas este ainda não está completamente dilatado, pelo que deverá contrariar a tendência para fazer força para o bebé sair, concentrando-se e controlando a respiração. A capacidade de auto-controlo, o apoio do seu companheiro, e a paciência serão preciosos nesta altura.

Identifique as fontes de stresse

Olhe à sua volta e tente perceber se há algum fator que a está a deixar nervosa e que pode ser evitado. É natural que toda a gente a queira apoiar e estar presente neste momento, mas certifique-se de que tem um ambiente calmo no quarto e de que nenhum familiar lhe está a causar stresse. Outros aspetos, como a iluminação, a temperatura do quarto ou o barulho, podem influenciar o decorrer do parto. Para que possa libertar as hormonas necessárias para o desenvolvimento do parto, precisa de silêncio, segurança e privacidade.

Ponha em prática o que aprendeu

A melhor estratégia para conseguir controlar a dor passa por se informar com antecipação sobre o que vai acontecer nas várias fases do trabalho de parto, o que irá sentir, e quais as opções para o alívio do desconforto.

A preparação emocional para o parto permitirá que se sinta menos ansiosa e controle melhor a dor. Para além dos métodos farmacológicos, técnicas que utilizam a música, a massagem, os banhos quentes, entre outras, podem ajudar a aliviar a dor nestes momentos. Aprender antecipadamente alguns exercícios de respiração também pode fazer a diferença. É importante que nos momentos mais dolorosos faça um esforço por colocar em prática o que aprendeu.

Aproveite o apoio dos outros

O apoio emocional vai ajudá-la a libertar-se da ansiedade própria do momento e a ganhar coragem para as várias etapas do parto. A presença do seu companheiro, de um familiar ou de um amigo próximo será preciosa para a acalmar e sentir que não está sozinha. Estas pessoas podem ainda ajudá-la a aliviar a tensão e a dor, com uma mensagem e palavras de ânimo. O acompanhamento de uma parteira ou de uma doula – profissional treinada para estar ao lado da mulher durante o parto – será importante para ir recebendo informação e apoio físico e emocional.

 Seja otimista

O parto permitirá que se encontre pela primeira vez com o seu bebé, com quem partilhou a sua intimidade durante tantos meses, e a quem já ama incondicionalmente. É por isso um momento inesquecível, que apesar de toda a dor, traz também uma enorme carga de emoção e expetativa. A sua atitude deve ser a mais positiva possível. Confie em si e naqueles que a rodeiam, e desfrute deste momento marcante com o suporte necessário e determinação pessoal. Lembre-se de que todo o esforço será compensado quando puder pegar o seu bebé ao colo.

Outros Artigos deste tema

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.