Cuidados para viajar na gravidez

Escrito por: Iolanda Veríssimo

Os riscos de viajar na gravidez variam de trimestre para trimestre e de acordo com a distância e destino da viagem. Se está grávida e planeia viajar, aconselhe-se junto do seu médico obstetra sobre potenciais contraindicações e adote os cuidados essenciais para uma viagem segura.

Cuidados para viajar na gravidez class=

A maioria das mulheres grávidas podem viajar, desde que não existam contraindicações identificadas pelo médico assistente. Numa gravidez normal, sem riscos acrescidos de complicações e parto prematuro, a grávida pode planear uma viagem segura, mas não o deve fazer sem o consentimento prévio do médico que acompanha a gravidez. A pré-existência de uma doença crónica, uma gravidez gemelar, um historial de abortos espontâneos são alguns fatores que podem influenciar a decisão do profissional de saúde. Da mesma maneira, a segurança da viagem dependerá da distância, meio de transporte e tipo de destino que escolher, sendo desaconselhável viajar para locais de altitude elevada ou onde existam epidemias ativas, como o vírus Zika.

Qual a melhor altura para viajar?
Os riscos de viajar na gravidez dependem de trimestre para trimestre. Segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS), o período mais seguro para viajar é o 2º trimestre, entre a 18ª e a 24ª semana de gravidez. Contudo, é sempre essencial consultar o seu médico obstetra antes de viajar, seja em que momento da gravidez for.

O que deve saber?
A gravidez acarreta várias adaptações fisiológicas que tornam o organismo da mulher mais vulnerável e sensível a problemas como infeções, hipoglicemias, tromboembolismo e transtornos digestivos. Para onde quer que vá, procure informar-se sobre os serviços de saúde e emergência médica disponíveis no local para onde vai viajar e, se possível, viaje acompanhada.

Evite destinos potencialmente perigosos
De acordo com as recomendações da DGS, a grávida deve evitar os locais com altitude elevada, superior a 2500 metros. Da mesma maneira, deve rejeitar os destinos com epidemias ativas e para os quais são recomendadas vacinas vivas (BCG, VASPR e vacina Rotavírus), que podem representar um risco para o feto.

Prepare a viagem
Para além de consultar o seu médico obstetra, para avaliar a existência de possíveis contraindicações à realização da viagem, é importante que agende uma consulta do viajante quatro a seis semanas antes da viagem e, idealmente, tenha um seguro de saúde.

Apesar de algumas vacinas serem desaconselhadas na gravidez, na consulta do viajante o profissional de saúde poderá avaliar a relação risco/benefício da vacinação e considerar que, nas suas circunstâncias, as vantagens da vacinação superam os seus potenciais riscos.

Viajar de carro
O ideal será evitar viagens longas de carro. Nas viagens de média e longa duração, é importante fazer paragens, pelo menos de duas em duas horas, para ir à casa de banho, movimentar as pernas e descansar.

Use sempre o cinto de segurança. mesmo que esteja no final da gravidez, em que a barriga já está maior. Certifique-se de que o cinto fica justo, no início das coxas.

Seja em que meio de transporte for, opte por roupa e sapatos confortáveis, hidrate-se e alimente-se bem. Evite os alimentos não seguros, como carne ou peixe crus, alimentos com longo tempo de prateleira, queijos de pasta mole, marisco ou álcool.

Viajar de avião
Em condições normais, viajar de avião na gravidez não representa riscos para a grávida ou para o bebé. Contudo, há companhias aéreas que não permitem que as mulheres com mais de 37 semanas de gravidez viagem, nomeadamente pelo facto de o risco de entrar em trabalho de parto ser superior durante uma viagem de avião. No caso de uma gravidez de gémeos, geralmente as companhias aéreas permitem o transporte até às 32 semanas.

Caso haja motivos de força maior para viajar de avião depois das 32 (em gravidezes gemelares) ou das 36 semanas, é importante que peça com antecedência uma autorização aos serviços médicos da companhia aérea. Poderá ser necessário também fazer-se acompanhar de um profissional de saúde e assinar uma declaração em como consente a viagem de risco.

Um dos cuidados a ter durante a viagem de avião é movimentar com frequência os pés e os joelhos, ou mesmo andar um pouco no avião, desde que cumprindo as regras de segurança.

Leve consigo medicamentos suplementares e distribua-os por várias malas, para o caso de ocorrer algum incidente, como, por exemplo, perderem a sua bagagem no aeroporto.

Viajar de comboio

O transporte de comboio é uma boa opção para as mulheres grávidas, já que é um meio de transporte estável, no qual se pode circular. Tenha cuidado com a entrada e saída das carruagens, para as quais pode pedir o apoio de um tripulante.

Outros Artigos deste tema

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.