Violência doméstica pode afetar o bebé ainda no útero

Escrito por: Iolanda Veríssimo

Um estudo realizado na Michigan State University, nos Estados Unidos da América, sugere que a violência doméstica pode afetar a criança ainda antes de esta nascer, notando-se o impacto da experiência traumática nos comportamentos logo ao longo do primeiro ano de vida.

Violência doméstica pode afetar o bebé ainda no útero

Um artigo publicado na revista científica Child Abuse & Neglect concluiu que, no primeiro ano de vida, as crianças cujas mães sofreram de violência doméstica tendem a apresentar sintomas comportamentais que refletem a experiência traumática. Entre os principais sinais de trauma, estão os pesadelos, o facto de se assustarem facilmente, de se sentirem mais incomodadas com o barulho ou com a luz, ou de evitarem o contacto físico.

Segundo uma notícia publicada no portal Medical Xpress, o estudo analisou uma amostra de 182 mães com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos, sendo a primeira investigação a associar a violência doméstica na gravidez a sintomas de trauma na criança.

Através de uma análise que teve em consideração os estilos de vida e educação dos pais e fatores de risco como a toxicodependência, o estado civil, a idade e o nível de vida, os investigadores puderam concluir que existe uma relação entre os abusos por parte do companheiro da grávida e sintomas comportamentais de trauma na criança. 

Em declarações ao portal Medical Xpress, Alytia Levendosky, investigadora e co-autora do estudo, explicou que os abusos no período pré-natal podem conduzir ao aumento dos níveis de cortisol da mãe, provocando igualmente o aumento dos níveis de cortisol no feto. O cortisol é a hormona produzida em resposta a situações de stresse.

Segundo a especialista, os níveis aumentados desta hormona podem ter um efeito prejudicial no cérebro do bebé, constituindo uma potencial justificação para os problemas emocionais que este revela depois de nascer.

“Para os médicos e para as mães, saber que a experiência pré-natal da violência doméstica pode afetar diretamente os bebés pode constituir uma forte motivação para ajudar as mães a saírem dessas situações de abuso”, frisou.

Segundo o Medical Xpress, Alytia Levendosky trabalha como psicóloga há cerca de 20 anos, tendo lidado com um grande número de mulheres que não acreditavam que a violência doméstica podia afetar o bebé psicologicamente numa fase tão precoce. De acordo com a investigadora, os resultados deste estudo vêm comprovar que essa perspetiva está errada, enviando às mulheres uma mensagem forte sobre o impacto da violência no bebé ainda no útero.

Últimas Notícias

Aumentou a percentagem de mulheres a amamentar em exclusivo até aos três e quatro meses

Nos últimos 20 anos, quase duplicou a prevalência de mães portuguesas que amamentam em exclusivo pelo menos até aos três ou quatro meses, indica um estudo do Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e da Escola Nacional de Saúde Pública. 

Gesticular estimula pensamento criativo na criança

Estudo da revista científica Psychological Science sugere que encorajar a criança a usar gestos enquanto pensa pode ajudá-la a desenvolver a criatividade.

Quase metade dos pais sentem-se deprimidos e ansiosos quando o bebé deixa os cuidados intensivos

Um estudo apresentado na conferência anual da Academia Americana de Pediatria indica que 45 por cento dos pais cujos filhos passam por uma unidade de cuidados intensivos experienciam sintomas de depressão pós-parto, ansiedade e stresse quando os recém-nascidos recebem alta do hospital.

Ácido fólico pode reduzir risco de autismo associado a pesticidas

Estudo realizado nos Estados Unidos da América demonstrou que as grávidas que tomam doses adequadas de ácido fólico no período concecional podem com isto reduzir o risco de autismo resultante da exposição a pesticidas.

Estudo reforça benefícios do exercício físico na gravidez

Investigação sublinha que o exercício é benéfico não apenas para mulheres saudáveis e ativas, como pode ser uma boa oportunidade para adotar um estilo de vida mais saudável.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.