Violência doméstica pode afetar o bebé ainda no útero

Escrito por: Iolanda Veríssimo

Um estudo realizado na Michigan State University, nos Estados Unidos da América, sugere que a violência doméstica pode afetar a criança ainda antes de esta nascer, notando-se o impacto da experiência traumática nos comportamentos logo ao longo do primeiro ano de vida.

Violência doméstica pode afetar o bebé ainda no útero

Um artigo publicado na revista científica Child Abuse & Neglect concluiu que, no primeiro ano de vida, as crianças cujas mães sofreram de violência doméstica tendem a apresentar sintomas comportamentais que refletem a experiência traumática. Entre os principais sinais de trauma, estão os pesadelos, o facto de se assustarem facilmente, de se sentirem mais incomodadas com o barulho ou com a luz, ou de evitarem o contacto físico.

Segundo uma notícia publicada no portal Medical Xpress, o estudo analisou uma amostra de 182 mães com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos, sendo a primeira investigação a associar a violência doméstica na gravidez a sintomas de trauma na criança.

Através de uma análise que teve em consideração os estilos de vida e educação dos pais e fatores de risco como a toxicodependência, o estado civil, a idade e o nível de vida, os investigadores puderam concluir que existe uma relação entre os abusos por parte do companheiro da grávida e sintomas comportamentais de trauma na criança. 

Em declarações ao portal Medical Xpress, Alytia Levendosky, investigadora e co-autora do estudo, explicou que os abusos no período pré-natal podem conduzir ao aumento dos níveis de cortisol da mãe, provocando igualmente o aumento dos níveis de cortisol no feto. O cortisol é a hormona produzida em resposta a situações de stresse.

Segundo a especialista, os níveis aumentados desta hormona podem ter um efeito prejudicial no cérebro do bebé, constituindo uma potencial justificação para os problemas emocionais que este revela depois de nascer.

“Para os médicos e para as mães, saber que a experiência pré-natal da violência doméstica pode afetar diretamente os bebés pode constituir uma forte motivação para ajudar as mães a saírem dessas situações de abuso”, frisou.

Segundo o Medical Xpress, Alytia Levendosky trabalha como psicóloga há cerca de 20 anos, tendo lidado com um grande número de mulheres que não acreditavam que a violência doméstica podia afetar o bebé psicologicamente numa fase tão precoce. De acordo com a investigadora, os resultados deste estudo vêm comprovar que essa perspetiva está errada, enviando às mulheres uma mensagem forte sobre o impacto da violência no bebé ainda no útero.

Últimas Notícias

APCOI e chef José Avillez lançam livro infantil para aumentar consumo de fruta e legumes

A Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), em colaboração com o chef José Avillez e a Goody lançam em dezembro o livro "Heróis da Fruta e o misterioso aumento dos superpoderes", escrito por nutricionistas e direcionado aos pais, professores e educadores, com o intuito de inspirar as crianças a incluir mais fruta e legumes na sua alimentação diária.

Peso anterior à gravidez pode influenciar desenvolvimento neurológico da criança

Uma análise aos resultados de 40 estudos científicos sugere que as crianças cujas mães apresentavam excesso de peso ou obesidade antes de engravidar têm um risco superior de ver o seu desenvolvimento neurológico comprometido, comparativamente com as crianças cujas mães tinham um peso normal antes da gestação.

Leite materno protege bebé contra alergias alimentares

O aleitamento materno permite a transferência para o bebé de anticorpos desenvolvidos pela mãe graças ao consumo de alimentos alergénios. A conclusão resulta de um estudo cujos resultados foram publicados no Journal of Experimental Medicine, e rejeita assim a tese de que as mulheres devem evitar alimentos alergénios durante a gravidez e período de amamentação.

Pais com depressão pós-parto pedem menos ajuda do que as mães

Os pais podem desenvolver depressão pós-parto tal como as mães, mas existe uma maior probabilidade de os sintomas passarem despercebidos e de não pedirem ajuda. Esta é a conclusão de um estudo publicado no Scandinavian Journal of Psychology, com cerca de 450 pais suecos.

Retirar dispositivos digitais do quarto melhora sono da criança

Remover todos os dispositivos eletrónicos do quarto onde a criança dorme pode melhorar a qualidade do seu sono, indica um artigo publicado na revista científica Pediatrics.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.