Violência doméstica pode afetar o bebé ainda no útero

Escrito por: Iolanda Veríssimo

Um estudo realizado na Michigan State University, nos Estados Unidos da América, sugere que a violência doméstica pode afetar a criança ainda antes de esta nascer, notando-se o impacto da experiência traumática nos comportamentos logo ao longo do primeiro ano de vida.

Violência doméstica pode afetar o bebé ainda no útero

Um artigo publicado na revista científica Child Abuse & Neglect concluiu que, no primeiro ano de vida, as crianças cujas mães sofreram de violência doméstica tendem a apresentar sintomas comportamentais que refletem a experiência traumática. Entre os principais sinais de trauma, estão os pesadelos, o facto de se assustarem facilmente, de se sentirem mais incomodadas com o barulho ou com a luz, ou de evitarem o contacto físico.

Segundo uma notícia publicada no portal Medical Xpress, o estudo analisou uma amostra de 182 mães com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos, sendo a primeira investigação a associar a violência doméstica na gravidez a sintomas de trauma na criança.

Através de uma análise que teve em consideração os estilos de vida e educação dos pais e fatores de risco como a toxicodependência, o estado civil, a idade e o nível de vida, os investigadores puderam concluir que existe uma relação entre os abusos por parte do companheiro da grávida e sintomas comportamentais de trauma na criança. 

Em declarações ao portal Medical Xpress, Alytia Levendosky, investigadora e co-autora do estudo, explicou que os abusos no período pré-natal podem conduzir ao aumento dos níveis de cortisol da mãe, provocando igualmente o aumento dos níveis de cortisol no feto. O cortisol é a hormona produzida em resposta a situações de stresse.

Segundo a especialista, os níveis aumentados desta hormona podem ter um efeito prejudicial no cérebro do bebé, constituindo uma potencial justificação para os problemas emocionais que este revela depois de nascer.

“Para os médicos e para as mães, saber que a experiência pré-natal da violência doméstica pode afetar diretamente os bebés pode constituir uma forte motivação para ajudar as mães a saírem dessas situações de abuso”, frisou.

Segundo o Medical Xpress, Alytia Levendosky trabalha como psicóloga há cerca de 20 anos, tendo lidado com um grande número de mulheres que não acreditavam que a violência doméstica podia afetar o bebé psicologicamente numa fase tão precoce. De acordo com a investigadora, os resultados deste estudo vêm comprovar que essa perspetiva está errada, enviando às mulheres uma mensagem forte sobre o impacto da violência no bebé ainda no útero.

Últimas Notícias

Lisboa é o único concelho português onde nascem bebés suficientes para renovar gerações

Apenas o concelho de Lisboa tem um número médio de bebés suficiente para garantir a renovação das gerações, segundo informação divulgada pela Pordata (base de dados estatísticos), no Dia Mundial da População.

Investigadores portugueses desenvolvem teste para identificar medicamentos perigosos para a gravidez

Uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra desenvolveu um teste que permite identificar medicamentos potencialmente perigosos para a gravidez, reduzindo a probabilidade de problemas vasculares no embrião. 

Alimentação saudável e exercício podem reduzir risco de diabetes gestacional

Um estudo cujos resultados foram publicados na revista científica BMJ indica que a adoção de uma alimentação saudável e a prática de exercício físico regular, de intensidade moderada, pode ajudar a prevenir a diabetes na gravidez (diabetes gestacional) e a necessidade de cesariana.

Subida das temperaturas aumenta risco de diabetes gestacional

Um estudo com cerca de 400 mil mulheres, realizado por investigadores do St. Michael's Hospital e da Universidade de Toronto, no Canadá, indica que existe uma relação entre o aumento da temperatura do ar e o risco de desenvolver diabetes na gravidez. 

Diabetes gestacional aumenta risco de défices de atenção

Um estudo publicado na revista científica PLOS ONE sugere que os bebés cujas mães desenvolvem diabetes na gravidez têm maior propensão para sofrer de défices de atenção a partir dos seis meses de idade.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.