Maioria dos bebés prematuros têm boa performance escolar

Um estudo publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) concluiu que os bebés prematuros - mesmo os que nascem com apenas 23 ou 24 semanas de gestação - estão preparados para começar o jardim-escola na idade prevista e têm uma performance escolar tão boa ou melhor que a de bebés de termo.

Maioria dos bebés prematuros têm boa performance escolar

Segundo um artigo publicado na revista Time, os dados que deram origem a estes resultados fazem parte de uma investigação norte-americana de larga escala, que analisou informação sobre 1,3 milhões de bebés nascidos no estado norte-americano da Flórida, entre 1992 e 2002.

Os resultados permitiram verificar que entre os bebés nascidos às 23 e 24 semanas de gravidez, 65 por cento foram considerados aptos para entrar no jardim-escola no período previsto para a idade. No caso dos bebés de termo, 85 por cento das crianças foram consideradas aptas para começar o percurso escolar na idade expectável.

Últimas Notícias

Obesidade masculina pode reduzir fertilidade

A inflamação crónica dos órgãos reprodutores masculinos, em homens obesos, pode contribuir para a má qualidade do esperma e reduzir fertilidade.

Estudo avalia impacto a longo prazo da diabetes gestacional

As mulheres diagnosticadas com diabetes gestacional apresentam um risco superior de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde, mais propriamente nos três a seis anos seguintes.

Amamentar durante seis meses ou mais reduz risco de diabetes

Um estudo que analisou dados apurados ao longo de 30 anos concluiu que o aleitamento materno durante pelo menos seis meses reduz o risco de desenvolver diabetes tipo 2. A conclusão foi divulgada num artigo publicado na revista científica JAMA Internal Medicine.

Contacto visual com o bebé favorece comunicação

O contacto visual direto promove a sincronização das ondas cerebrais do bebé com as do adulto, aumentando a probabilidade de comunicação e aprendizagem. A conclusão resulta de um estudo levado a cabo na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. 

Carência de iodo pode reduzir fertilidade

As mulheres com défice moderado a grave de iodo podem demorar mais tempo a engravidar, comparativamente com as mulheres que apresentam reservas adequadas deste micronutriente, indica um estudo publicado na revista científica Human Reproduction.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.