Fazer as refeições em família contribui para saúde física e mental da criança

Um estudo publicado no Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics sugere que as crianças que fazem as refeições em família, de forma rotineira, terão a longo prazo uma melhor saúde física e mental.

Fazer as refeições em família contribui para saúde física e mental da criança

As refeições em família proporcionam à criança benefícios a longo prazo, promovendo o seu bem-estar físico e psicológico. Esta é a principal conclusão de um estudo levado a cabo no Quebec, no Canadá, cujos resultados foram divulgados no Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics.

Segundo uma notícia publicada no portal Science Daily, os investigadores da Universidade de Montreal acompanharam um total de 1492 crianças, desde os cinco meses até aos dez anos de idade.

«A presença dos pais durante as refeições provavelmente fornece às crianças pequenas interação social em primeira mão, assim como a possibilidade de discutir temas sociais e preocupações do dia-a-dia(...) num ambiente familiar e emocionalmente seguro», explica Linda Pagani, principal autora do estudo.

A investigadora acrescenta que experienciar formas positivas de comunicação pode ajudar a criança a ganhar competências comunicacionais face a pessoas que estão fora do núcleo familiar. Segundo a especialista, esta é uma forma acessível e simples de promover a educação e a melhoria do bem-estar da criança.

Últimas Notícias

Carência de iodo pode reduzir fertilidade

As mulheres com défice moderado a grave de iodo podem demorar mais tempo a engravidar, comparativamente com as mulheres que apresentam reservas adequadas deste micronutriente, indica um estudo publicado na revista científica Human Reproduction.

Alimentos ricos em colina estimulam desenvolvimento cognitivo do bebé

Um estudo levado a cabo pela Cornell University, nos Estados Unidos da América, defende que o consumo adequado de alimentos ricos em colina - como gema de ovo, carne vermelha magra e vegetais - durante a gravidez, beneficia o desenvolvimento cognitivo do bebé, a longo prazo.

Ácido fólico diminui risco de autismo por exposição fetal a fármacos antiepiléticos

Um estudo publicado na revista científica JAMA Neurology defende que o risco de autismo nos bebés que no útero são expostos a fármacos antiepiléticos pode ser atenuado através de suplementação nutricional com ácido fólico.

APCOI e chef José Avillez lançam livro infantil para aumentar consumo de fruta e legumes

A Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), em colaboração com o chef José Avillez e a Goody lançam em dezembro o livro "Heróis da Fruta e o misterioso aumento dos superpoderes", escrito por nutricionistas e direcionado aos pais, professores e educadores, com o intuito de inspirar as crianças a incluir mais fruta e legumes na sua alimentação diária.

Peso anterior à gravidez pode influenciar desenvolvimento neurológico da criança

Uma análise aos resultados de 40 estudos científicos sugere que as crianças cujas mães apresentavam excesso de peso ou obesidade antes de engravidar têm um risco superior de ver o seu desenvolvimento neurológico comprometido, comparativamente com as crianças cujas mães tinham um peso normal antes da gestação.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.