Menor risco de obesidade nas crianças cujas mães têm estilo de vida saudável

Um estudo publicado no British Medical Journal (BMJ) sugere que as crianças cujas mães seguem um estilo de vida saudável têm menor probabilidade de desenvolver obesidade, em comparação com crianças cujas mães optam por um estilo de vida menos saudável.

Menor risco de obesidade nas crianças cujas mães têm estilo de vida saudável

Uma análise aos registos clínicos e estilos de vida de 24 289 crianças entre os 9 e os 14 anos concluiu que o risco de obesidade é menor nas crianças cujas mães mantêm um peso saudável, fazem exercício regularmente, não fumam e têm uma boa alimentação.

Segundo a investigação, depois de eliminados outros fatores de influência, como a idade, etnia, historial de doenças crónicas, nível económico e educação, concluiu-se que o risco de obesidade era 56 por cento inferior nas crianças cujas mães mantinham um peso adequado (Índice de Massa Corporal entre os 18.5 e os 24.9).

Foi também demonstrado que as crianças cujas mães não fumavam apresentavam um risco 31 por cento inferior de vir a desenvolver obesidade, em comparação com as crianças cujas mães eram fumadoras.

A investigação baseou-se em dados de dois estudos realizados nos Estados Unidos da América, país em que uma em cada cinco crianças e adolescentes sofrem de obesidade.

Últimas Notícias

Por que motivo, durante a gravidez, os sonhos e os pesadelos são mais frequentes?

Os sonhos e os pesadelos durante a gravidez, principalmente durante o terceiro trimestre, tornam-se mais vívidos e frequentes, avança um artigo publicado no portal Live Science.

O sexo de bebé influencia complicações relacionadas com a gravidez

O sexo do bebé controla os níveis de pequenas moléculas também conhecidas como metabolitos no sangue da mulher grávida. Este facto poderá explicar por que motivo o risco de desenvolvimento de algumas doenças na gravidez variam dependendo de ser um menino ou uma menina.

“Testes do pezinho” revelam que houve mais 97 nascimentos no primeiro semestre deste ano

Dados apurados através do Programa Nacional de Diagnóstico Precoce, conhecido como "teste do pezinho", apontam para um aumento no número de nascimentos no primeiro semestre de 2018, em relação ao mesmo período de 2017.

Estudo realça importância da consulta pediátrica pré-natal

A consulta pediátrica pré-natal é aconselhável a todos os futuros pais, de acordo com um relatório clínico publicado na revista Pediatrics.

Exposição à poluição durante a gravidez não aumenta risco de hiperatividade ou défice de atenção

Novo estudo refuta a hipótese de que a exposição ao ar contaminado durante a gravidez está na origem da hiperatividade e défice de atenção infantil.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.