Consumo de açúcar na gravidez associado a risco de alergia e asma na criança

Novo estudo publicado no European Respiratory Journal sugere que o elevado consumo de açúcar na gravidez pode conduzir a um maior risco de alergia e asma alérgica na criança durante a infância. Mais estudos serão necessários para comprovar esta relação.

Consumo de açúcar na gravidez associado a risco de alergia e asma na criança

Um estudo levado a cabo na Queen Mary University of London, em Londres, indica que as grávidas que consomem açúcar em doses elevadas podem com isso estar a aumentar o risco de alergias e asma nos seus filhos.

Segundo uma notícia publicada no portal MedicalXpress, a investigação analisou uma amostra de cerca de 9000 pares mães-filhos, baseando-se nos resultados de testes cutâneos a diversos alergéneos, realizados quando as crianças completaram sete anos de idade.

Depois de comparados os 20 por cento da amostra com maior consumo de açúcar com os 20 por cento com menor consumo de açúcar, foi possível verificar uma tendência para o aumento do risco de alergias e asma alérgica nas mães com maior consumo de açúcar, mais precisamente, um risco 38 por cento mais elevado no caso das alergias e 101 por cento mais alto relativamente à asma alérgica. Não foi demonstrada uma relação suficientemente forte entre o aumento do risco de asma no geral.

Mais estudos serão necessários para comprovar esta hipótese, e a mesma equipa de investigação tenciona testar se se a redução do consumo de açúcar no período de gestação pode prevenir a alergia e asma alérgica na criança. Até lá, os investigadores aconselham as mulheres a seguir as recomendações das autoridades de saúde e evitar o consumo excessivo de açúcar na gravidez.

Últimas Notícias

Obesidade masculina pode reduzir fertilidade

A inflamação crónica dos órgãos reprodutores masculinos, em homens obesos, pode contribuir para a má qualidade do esperma e reduzir fertilidade.

Estudo avalia impacto a longo prazo da diabetes gestacional

As mulheres diagnosticadas com diabetes gestacional apresentam um risco superior de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde, mais propriamente nos três a seis anos seguintes.

Amamentar durante seis meses ou mais reduz risco de diabetes

Um estudo que analisou dados apurados ao longo de 30 anos concluiu que o aleitamento materno durante pelo menos seis meses reduz o risco de desenvolver diabetes tipo 2. A conclusão foi divulgada num artigo publicado na revista científica JAMA Internal Medicine.

Contacto visual com o bebé favorece comunicação

O contacto visual direto promove a sincronização das ondas cerebrais do bebé com as do adulto, aumentando a probabilidade de comunicação e aprendizagem. A conclusão resulta de um estudo levado a cabo na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. 

Carência de iodo pode reduzir fertilidade

As mulheres com défice moderado a grave de iodo podem demorar mais tempo a engravidar, comparativamente com as mulheres que apresentam reservas adequadas deste micronutriente, indica um estudo publicado na revista científica Human Reproduction.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.