Cientistas desenvolvem chip que prevê risco de parto prematuro

Uma equipa de cientistas do National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering, nos Estados Unidos da América, desenvolveu um microchip que permite captar e identificar um péptido no sangue que pode ajudar a prever o risco acrescido de parto prematuro. 

Cientistas desenvolvem chip que prevê risco de parto prematuro

Um estudo na área da microfluídica - ciência e engenharia de sistemas com dimensões micrométricas - demonstrou que um novo microchip desenvolvido por uma equipa de cientistas National Institute of Biomedical Imaging and Bioengineering é capaz de prever o risco de parto prematuro.

Segundo uma notícia publicada no portal Science Daily, este sistema tem a capacidade de captar e identificar um péptido raro no sangue, denominado P1, que pode ser indicativo de inflamação, um dos principais fatores de risco de complicações na gravidez.

O microchip, que pode ter um impacto positivo significativo em termos de saúde pública, permitirá aos profissionais de saúde minorar os riscos do parto prematuro e tentar atrasar ao máximo o nascimento.

O estudo foi publicado na revista científica Electrophoresis.

O parto prematuro é a maior causa de morbilidade e mortalidade neonatal.

Últimas Notícias

Gesticular estimula pensamento criativo na criança

Estudo da revista científica Psychological Science sugere que encorajar a criança a usar gestos enquanto pensa pode ajudá-la a desenvolver a criatividade.

Quase metade dos pais sentem-se deprimidos e ansiosos quando o bebé deixa os cuidados intensivos

Um estudo apresentado na conferência anual da Academia Americana de Pediatria indica que 45 por cento dos pais cujos filhos passam por uma unidade de cuidados intensivos experienciam sintomas de depressão pós-parto, ansiedade e stresse quando os recém-nascidos recebem alta do hospital.

Ácido fólico pode reduzir risco de autismo associado a pesticidas

Estudo realizado nos Estados Unidos da América demonstrou que as grávidas que tomam doses adequadas de ácido fólico no período concecional podem com isto reduzir o risco de autismo resultante da exposição a pesticidas.

Estudo reforça benefícios do exercício físico na gravidez

Investigação sublinha que o exercício é benéfico não apenas para mulheres saudáveis e ativas, como pode ser uma boa oportunidade para adotar um estilo de vida mais saudável.

Poluição atmosférica quase tão prejudicial para o bebé como o fumo do tabaco

Um estudo realizado pelas universidades de Edimburgo e Aberdeen, na Escócia, concluiu que a exposição da grávida à poluição do ar é tão prejudicial para o desenvolvimento do bebé como o facto de a mãe fumar durante a gravidez.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.