Amamentar durante seis meses ou mais reduz risco de diabetes

Um estudo que analisou dados apurados ao longo de 30 anos concluiu que o aleitamento materno durante pelo menos seis meses reduz o risco de desenvolver diabetes tipo 2. A conclusão foi divulgada num artigo publicado na revista científica JAMA Internal Medicine.

Amamentar durante seis meses ou mais reduz risco de diabetes

Segundo uma notícia do portal Science Daily, o risco de diabetes é reduzido para metade nas mulheres em idade fértil. As mulheres que amamentam durante seis meses ou mais têm um risco 47 por cento inferior de desenvolver a doença, comparativamente com as mulheres que não amamentam de todo. As mulheres que amamentam durante um período inferior a seis meses também conseguem alguma proteção extra contra a diabetes, apresentando um risco 25 por cento menor de desenvolver este problema de saúde.

"Verificámos uma associação muito forte entre a duração da amamentação e um menor risco de desenvolver diabetes, depois de excluirmos todos os fatores que poderiam criar confusão", explica Erica Gunderson, principal autora do estudo, segundo o Science Daily.

De acordo com os autores, estes novos resultados reforçam a evidência científica de que a amamentação tem um efeito protetor da saúde da mãe e da criança.

Últimas Notícias

Obesidade masculina pode reduzir fertilidade

A inflamação crónica dos órgãos reprodutores masculinos, em homens obesos, pode contribuir para a má qualidade do esperma e reduzir fertilidade.

Estudo avalia impacto a longo prazo da diabetes gestacional

As mulheres diagnosticadas com diabetes gestacional apresentam um risco superior de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde, mais propriamente nos três a seis anos seguintes.

Contacto visual com o bebé favorece comunicação

O contacto visual direto promove a sincronização das ondas cerebrais do bebé com as do adulto, aumentando a probabilidade de comunicação e aprendizagem. A conclusão resulta de um estudo levado a cabo na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. 

Carência de iodo pode reduzir fertilidade

As mulheres com défice moderado a grave de iodo podem demorar mais tempo a engravidar, comparativamente com as mulheres que apresentam reservas adequadas deste micronutriente, indica um estudo publicado na revista científica Human Reproduction.

Alimentos ricos em colina estimulam desenvolvimento cognitivo do bebé

Um estudo levado a cabo pela Cornell University, nos Estados Unidos da América, defende que o consumo adequado de alimentos ricos em colina - como gema de ovo, carne vermelha magra e vegetais - durante a gravidez, beneficia o desenvolvimento cognitivo do bebé, a longo prazo.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.