Ácido fólico pode reduzir risco de autismo associado a pesticidas

Estudo realizado nos Estados Unidos da América demonstrou que as grávidas que tomam doses adequadas de ácido fólico no período concecional podem com isto reduzir o risco de autismo resultante da exposição a pesticidas.

Ácido fólico pode reduzir risco de autismo associado a pesticidas

Um estudo cujos resultados foram publicados na revista científica Environmental Health Perspectives sugere que a toma de ácido fólico na janela temporal da conceção pode "mitigar" o risco de autismo relacionado com a exposição a pesticidas.

Segundo um comunicado divulgado pela UC Davis (Universidade da Califórnia), nos Estados Unidos da América (EUA), as crianças cujas mães tomaram 800 microgramas ou mais de ácido fólico (quantidade presente na maior parte dos suplementos pré-natais nos EUA), têm um risco significativamente menor de desenvolver Perturbações do Espectro do Autismo (PEA), mesmo quando há exposição a pesticidas domésticos ou usados na agricultura - situação previamente associada a um risco aumentado de autismo.

"Descobrimos que se a mãe tomar ácido fólico durante a janela temporal da conceção, o risco associado a pesticidas parece estar atenuado», explica Rebecca J. Schmidt, principal autora do estudo, num comunicado.

"As mães deviam tentar evitar pesticidas. Mas se viverem perto de terrenos agrícolas, onde os pesticidas podem ser propagados, esta pode ser uma forma de contornar esses efeitos", acrescenta a investigadora, que também é professora assistente no Departamento de Ciências da Saúde Pública da Universidade da Califórnia.

Para chegar a estas conclusões, a equipa de investigação analisou informação de um estudo maior, denominado Childhood Autism Risks from Genetics and the Environment (CHARGE), baseando-se em dados de 296 crianças entre os dois e os cinco anos de idade, diagnosticadas com PEA, e 220 crianças com um desenvolvimento normal. Os resultados contemplam entrevistas sobre a exposição a pesticidas domésticos durante a gravidez, assim como o aporte de ácido fólico e vitamina B.

Últimas Notícias

Obesidade masculina pode reduzir fertilidade

A inflamação crónica dos órgãos reprodutores masculinos, em homens obesos, pode contribuir para a má qualidade do esperma e reduzir fertilidade.

Estudo avalia impacto a longo prazo da diabetes gestacional

As mulheres diagnosticadas com diabetes gestacional apresentam um risco superior de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde, mais propriamente nos três a seis anos seguintes.

Amamentar durante seis meses ou mais reduz risco de diabetes

Um estudo que analisou dados apurados ao longo de 30 anos concluiu que o aleitamento materno durante pelo menos seis meses reduz o risco de desenvolver diabetes tipo 2. A conclusão foi divulgada num artigo publicado na revista científica JAMA Internal Medicine.

Contacto visual com o bebé favorece comunicação

O contacto visual direto promove a sincronização das ondas cerebrais do bebé com as do adulto, aumentando a probabilidade de comunicação e aprendizagem. A conclusão resulta de um estudo levado a cabo na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. 

Carência de iodo pode reduzir fertilidade

As mulheres com défice moderado a grave de iodo podem demorar mais tempo a engravidar, comparativamente com as mulheres que apresentam reservas adequadas deste micronutriente, indica um estudo publicado na revista científica Human Reproduction.

Subscreva a Newsletter

Receba informação semanal adaptada ao desenvolvimento da sua gravidez.